COMO FALAR

Como falar do vento que sopra em meu estomago,
Como falar do que não importa,
se nada mudaria opinião humana.
Doces lábios que colados no meu ardia em loucuras,
se pudesse ter de ti meu amor,
aquilo que te dou de graça.
E a alma se pede no campo florido
e só.
A luz desse mundo que me eleva ao reino dos céus.
Es lá que que me sinto em paz.
sentindo o gosto da compreensão.
Se esperança eu pedi,
ainda tenho deus em mim.

Deixe uma resposta